13 de setembro de 2018 - Liturgia Católica Apostólica Romana

www.liturgiacatolica.com
www.liturgiacatolica.com
Ir para o conteúdo

13 de setembro de 2018

LITURGIA DIÁRIA > 2018 > SETEMBRO

5ª-feira da 23ª Semana do Tempo Comum
13 de Setembro de 2018
São João Crisóstomo, BDr., memória.
Cor: Branco


1ª Leitura - 1Cor 8,1b-7.11-13

Pecando contra os irmãos
e ferindo a consciência deles, que é fraca,
é contra Cristo que pecais.

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios 8,1b-7.11-13

Irmãos:
1b O conhecimento incha, a caridade é que constrói.
2 Se alguém acha que conhece bem alguma coisa, ainda não sabe como deveria saber.
3 Mas se alguém ama a Deus, ele é conhecido por Deus!
4 Quanto ao comer as carnes de animais sacrificados aos ídolos, nós sabemos que um ídolo não é nada no mundo, e que Deus é um só.
5 É verdade que alguns são chamados deuses, no ceú ou na terra, e muita gente pensa que existem muitos deuses e muitos senhores.
6 Para nós, porém, existe um só Deus, o Pai, de quem vêm todos os seres e para quem nós existimos. E, ainda, para nós, existe um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual tudo existe, e nós também existimos por ele.
7 Mas nem todos têm esse conhecimento. De fato, alguns habituados, até ao presente, ao culto dos ídolos, comem da carne dos sacrifícios, como se ela fosse mesmo oferecida aos ídolos. E assim, a sua consciência, que é fraca, fica manchada.
11 E então, por causa do teu conhecimento, perece o fraco, o irmão pelo qual Cristo morreu.
12 Pecando, assim, contra os irmãos e ferindo a consciência deles, que é fraca, é contra Cristo que pecais.
13 Por isso, se um alimento é ocasião de queda para meu irmão, nunca mais comerei carne, para não escandalizar meu irmão.
Palavra do Senhor.


Salmo - Sl 138(139),1-3. 13-14ab-23-24 (R.24b)

R. Conduzi-me no caminho para a vida, ó Senhor!

1Senhor, vós me sondais e conheceis, *
2sabeis quando me sento ou me levanto;
de longe penetrais meus pensamentos, +
3percebeis quando me deito e quando eu ando, *
os meus caminhos vos são todos conhecidos.R.

13Fostes vós que me formastes as entranhas, *
e no seio de minha mãe vós me tecestes.
14aEu vos louvo e vos dou graças, ó Senhor, +
porque de modo admirável me formastes! *
14bQue prodígio e maravilha as vossas obras!R.

23Senhor, sondai-me, conhecei meu coração, *
examinai-me e provai meus pensamentos!
24Vede bem se não estou no mau caminho, *
e conduzi-me no caminho para a vida!R.



Evangelho - Lc 6,27-38

Sede misericordiosos, como também
o vosso Pai é misericordioso.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 6,27-38

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos:
27 A vós que me escutais, eu digo: Amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam,
28 bendizei os que vos amaldiçoam, e rezai por aqueles que vos caluniam.
29 Se alguém te der uma bofetada numa face, oferece também a outra. Se alguém te tomar o manto, deixa-o levar também a túnica.
30 Dá a quem te pedir e, se alguém tirar o que é teu, não peças que o devolva.
31 O que vós desejais que os outros vos façam, fazei-o também vós a eles.
32 Se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Até os pecadores amam aqueles que os amam.
33 E se fazeis o bem somente aos que vos fazem o bem, que recompensa tereis? Até os pecadores fazem assim.
34 E se emprestais somente àqueles de quem esperais receber, que recompensa tereis? Até os pecadores emprestam aos pecadores, para receber de volta a mesma quantia.
35 Ao contrário, amai os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai sem esperar coisa alguma em troca. Então, a vossa recompensa será grande, e sereis filhos do Altíssimo, porque Deus é bondoso também para com os ingratos e os maus.
36 Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso.
37 Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados.
38 Dai e vos será dado. Uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante será colocada no vosso colo; porque com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos.'
Palavra da Salvação.



REFLEXÃO - PADRE JOÃO LUÍS FÁVERO


“Conduzi-me no caminho para a vida, ó Senhor!”

Lc 6, 27-38

A intenção de Jesus não é ensinar normas de conduta a ser fielmente observadas, mas criar uma mentalidade que vai permitir ao discípulo em cada circunstância da vida, agir em conformidade com os valores do Reino.

O discipulo deve ser capaz de romper com a estrutura de violência, tão presente em nosso meio. Mostrar a capacidade de ser solidário e partilhar gestos de misericórdia, inspirado no modo divino de agir e na disposição do perdão.

O fio condutor desse ensinamento é: “Sejam misericordiosos como o Pai de vocês é misericordioso”. As demais exigências encontram sua raiz nessa exigência e motivação.

O amor misericordioso é o maior imperativo da vida cristã! É inconcebível pensar na adesão ao projeto de Jesus sem uma fé que tenha o amor em sua essência. Esse amor chega ao extremo de se inclinar aos inimigos.

A inimizade pressupõe, exatamente a ausência de amor. Jesus pede um amor sem limites, capaz de quebrar o muro da inimizade e reconstruir relações de fraternidade pautadas no Evangelho.

E isso não é impossível! Do contrário, Jesus não colocaria como condição para o seguimento. O amor, traduzido em misericórdia, é a medida de todas as coisas, um cristão que não ama, é semelhante a uma árvore que não dá frutos.

Só numa experiencia com um Deus misericordioso é que vamos encontrar força e sentido para colocar em prática essas exigências de Jesus e seu Reino.

Rezemos: Senhor cria em mim a disposição do amor, para agir como Jesus: de tratar as pessoas como gostaríamos de ser tratados. Quero ser misericordioso!

Deus abençoe você e sua família.

Padre João Luiz Fávero
Paróquia Nossa Senhora das Dores
Cambuí - Campinas - SP

REFLEXÃO - FREI RINALDO STECANELLA, OSM


Bom dia. Deus abençoe sua vida nesta nova jornada que está começando.  Sinta a presença de Deus agindo na sua vida e convidando você para irradiar esse amor por todos os lugares que o seu dia chamar. Ande sempre nos caminhos do Senhor, do amor, da paz, da alegria, da serenidade...da verdade, da justiça...faça sempre o bem, não importa a quem. Não mude o que é sua essência: ser bom!!! Deus abençoe seu dia na paz e no amor. Atitude para hoje: postura de vencedor!!


CONSAGRANDO O DIA....
Senhor Deus de Bondade, nesta quinta-feira, venho diante de ti para agradecer todo o bem que realizas na minha vida. Muito obrigado pelo ar que respiro, pelo alimento à minha mesa, pelas pessoas que amo. Muito obrigado pela luz que vem do teu Espírito Santo. Eu te peço, Senhor, que sempre ilumine meus passos e meus caminhos com o brilho da tua sabedoria. Dá-me bom senso, lucidez e discernimento para não me entregar a falsas ilusões. Protege a minha família e a todos os que eu amo de qualquer erro ou engano. Mostra-me sempre a beleza da tua verdade e do teu amor, para que eu possa ser instrumento da Sabedoria que vem de ti. Tudo isso eu te peço por Jesus Cristo, teu filho e nosso irmão, na força e na unidade do Espírito Santo, Amém!

REZANDO COM O SALMO
Salmo 1 - É feliz quem a Deus se confia!
Feliz é todo aquele que não anda conforme os conselhos dos perversos; que não entra no caminho dos malvados, nem junto aos zombadores vai sentar-se; mas encontra seu prazer na lei de Deus e a medita, dia e noite, sem cessar.

Eis que ele é semelhante a uma árvore, que à beira da torrente está plantada; ela sempre dá seus frutos a seu tempo, e jamais as suas folhas vão murchar. Eis que tudo o que ele faz vai prosperar.

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.
Como era no princípio, agora e sempre. Amém!!!

Com carinho e bençãos

Frei Rinaldo, osm



SOBRE A DATA COMEMORATIVA



São João Crisóstomo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Mosaico bizantino de São João Crisóstomo na Basílica de Santa Sofia, Istambul
No oriente: Grande Hierarca;Professor Ecumênico
No ocidente: Patriarca de Constantinopla e Doutor da Igreja
Nascimento c. 347 em Antioquia, Síria (província romana)
Morte 14 de setembro de 407 em Comana Pôntica, Ponto (província romana)

João Crisóstomo (c. 347, Antioquia—14 de setembro de 407, Comana Pôntica) foi um arcebispo de Constantinopla e um dos mais importantes patronos do cristianismo primitivo. Ele é conhecido por suas poderosas homilias, por sua habilidade em oratória, por sua denúncia dos abusos cometidos por líderes políticos e eclesiásticos de sua época, por sua "Divina Liturgia" e por suas práticas ascetas. O epíteto Χρυσόστομος ("Chrysostomos", aportuguesado como "Crisóstomo") significa "da boca de ouro" em língua grega e lhe foi dado por conta de sua lendária eloquência. O título apareceu pela primeira vez na "Constituição" do papa Vigílio em 553 e ele é considerado o maior pregador cristão da história.

As igrejas ortodoxas e católicas orientais veneram-no como santo e como um dos Três Grandes Hierarcas, juntamente com Basílio, o Grande e Gregório Nazianzeno. A Igreja Católica também o proclamou Doutor da Igreja. As igrejas de tradição ocidental, incluindo a católica, algumas províncias da Comunhão Anglicana e partes da Igreja Luterana comemoram sua festa em 13 de setembro. As restantes igrejas luteranas e províncias anglicanas o fazem na data tradicional no oriente ortodoxo, 27 de janeiro. A Igreja Ortodoxa Copta de Alexandria também reconhece Crisóstomo como santo.

Entre suas homilias, oito dirigidas aos cristãos judaizantes ainda geram controvérsia por causa do impacto que provocaram no desenvolvimento do antissemitismo cristão.


Biografia

João nasceu em Antioquia em 349 (ou 347) de pais greco-sírios. Diferentes estudiosos afirmam que sua mãe, Antusa, era ou pagã ou cristã. Seu pai era um oficial militar de alta patente de nome desconhecido e morreu logo depois do nascimento de João.

Seu batismo ocorreu em 368 (ou 373) e ele foi tonsurado leitor (uma das ordens menores da Igreja). Por conta dos contatos de sua mãe, que era influente na cidade, João iniciou seus estudos sob a influência do famoso professor pagão Libânio. Com ele, João aprendeu muitas das ferramentas que futuramente utilizaria em sua carreira como retórico e também adquiriu sua paixão pelo grego e sua literatura.

Porém, Crisóstomo foi se tornando cada vez mais dedicado ao cristianismo conforme crescia e, ainda jovem, foi estudar teologia com Diodoro de Tarso, o fundador da reconstituída Escola de Antioquia. De acordo com o historiador cristão Sozomeno, Libânio teria dito, em seu leito de morte, que João teria sido seu sucessor "se os cristãos não tivessem roubado-o de nós". João já vivia em extremo ascetismo e, por volta de 375, tornou-se eremita. Nesta época, passou dois anos continuamente em pé, dormindo muito pouco e decorou a Bíblia. Como consequência disso, seu estômago e seus rins foram danificados permanentemente e sua saúde se deteriorou tanto que ele acabou sendo forçado a voltar para Antioquia.


Antioquia

João foi ordenado diácono em 381 por Melécio de Antioquia, que, na época, não estava em comunhão com Alexandria e Roma. Depois da morte de Melécio, João se distanciou de seus seguidores, mas não se juntou a Paulino, seu adversário no cisma que dividia a Igreja de Antioquia. Em 386, depois da morte de Paulino, foi ordenado presbítero por Evágrio, sucessor dele.] Foi João que, depois disso, conseguiu reconciliar Flaviano I de Antioquia, o indicado por Roma e Alexandria, os sucessores de Melécio e os de Paulino, unificando novamente a sé de Antioquia sob uma única liderança depois de quase setenta anos do chamando "cisma meleciano".

Em Antioquia, num período de doze anos (386-397), João ganhou enorme popularidade por causa da eloquência de seus discursos na "Igreja Dourada", a catedral da cidade, especialmente suas iluminadoras aulas sobre passagens da Bíblia ou ensinamentos morais. Sua obra mais valiosa desta época é "Homilias", que versa sobre os vários livros da Bíblia. Ele enfatizava a caridade e se mostrava sempre preocupado com as necessidades materiais e espirituais dos pobres. Falava também contra o abuso da riqueza e das propriedades pessoais:

“ Você deseja honrar o corpo de Cristo? Não o ignore quando ele está nu. Não o homenageie no templo vestido com seda quando o negligencia do lado de fora, onde ele está malvestido e passando frio. Ele que disse "Este é o meu corpo" é o mesmo que diz "Tu me vistes faminto e não me destes comida"] e «quantas vezes o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes» (Mateus 25:40)... Que importa se a mesa eucarística está lotada de cálices de ouro quando seu irmão está morrendo de fome? Comeces satisfazendo a fome dele e, depois, com o que sobrar, poderás adornar também o altar. ”
— João Crisóstomo, Comentário sobre Mateus.

Sua compreensão simples e direta das Escrituras — contrária à tendência alexandrina de utilizar interpretações alegóricas — implicava que os temas de seus discursos eram práticos, explicando como a Bíblia poderia ser utilizada na vida cotidiana. Este tipo de pregação é que tornou João tão popular. Ele fundou ainda muitos hospitais em Constantinopla para tratar dos pobres.

Um incidente ocorrido durante uma de suas missas em Antioquia ilustra bem a influência alcançada por suas homilias. Quando Crisóstomo chegou em Antioquia, o bispo da cidade teve que intervir junto ao imperador bizantino Teodósio I em nome dos cidadãos que, enfurecidos por um discurso de João, saíram pela cidade mutilando estátuas do imperador e de sua família. Na mesma época, durante a Quaresma de 387, João pregou vinte e uma homilias nas quais convidou seus ouvintes a meditarem sobre seus próprios erros. De grande impacto na população, muitos pagãos se converteram ao cristianismo e, por conta disso, a vingança de Teodósio, um devoto cristão, não foi tão severa quanto poderia ter sido.


Arcebispo de Constantinopla

No outono de 397, João foi nomeado arcebispo de Constantinopla sem que o poderoso eunuco Eutrópio ficasse sabendo. Curiosamente, ele teve que deixar Antioquia escondido porque se temia que a despedida de alguém tão popular pudesse provocar uma revolta.

Durante seu mandato como arcebispo, João teimosamente recusou participar ou realizar festas e banquetes luxuosos, o que tornou-o muito popular entre o povo, mas também valeu-lhe muitos inimigos na aristocracia local e no clero. Não ajudou também sua reforma clerical, que obrigava que todos os sacerdotes regionais deixassem a corte (e seus prazeres) e retornassem para suas igrejas, que era onde deveriam estar servindo, e, para piorar, sem receber nada em troca.

O período que Crisóstomo passou em Constantinopla foi ainda mais tumultuado que o anterior, em Antioquia. Teófilo, o patriarca de Alexandria, queria colocar a sé de Constantinopla sob sua esfera de influência e não apoiou a nomeação de Crisóstomo. Num episódio local, Teófilo havia disciplinado quatro monges egípcios (que passaram a ser chamados de "os Altos Irmãos") por apoiarem as doutrinas de Orígenes. Sentindo-se injustiçados, eles fugiram para Constantinopla e foram recebidos por João, dando a Teófilo o pretexto que precisava para acusar João de ser partidário de Orígenes, cuja doutrina era condenada na época.

Outro inimigo de João era Élia Eudóxia, esposa do imperador Arcádio, que assumiu (provavelmente com razão) que a fúria do arcebispo contra a extravagância das roupas femininas era um ataque direto a si. Eudóxia, Teófilo e outros adversários realizaram um sínodo em 403 (o chamado "Sínodo do Carvalho") para acusar João de ser um origenista e conseguiram depô-lo e bani-lo.

Não demorou muito e Arcádio teve que chamá-lo de volta, pois o povo se revoltou com sua partida.[25] Além disso, um terremoto ocorrido na noite de sua prisão convenceu Eudóxia da insatisfação divina e ela pediu ao marido que chamasse João de volta. Porém, a paz durou pouco. Uma estátua de prata de Eudóxia foi erigida no Augusteu, perto da catedral. João, implacável, denunciou as cerimônias dedicatórias e acusou a imperatriz em termos duros: "Novamente, Herodíades se regojiza; novamente se preocupa; novamente dança; e, novamente, deseja receber a cabeça de João numa bandeja", uma alusão aos eventos da morte de São João Batista. Mais uma vez João foi banido, desta vez para a Abecásia, no Cáucaso.

Por volta de 405, Crisóstomo passou a apoiar, moral e financeiramente, os monges cristãos que estavam aplicando as leis imperiais contra os pagãos, destruindo templos e santuários na Fenícia e regiões vizinhas.


Morte e canonização

Tendo que enfrentar o exílio, Crisóstomo apelou a três grandes nomes da Igreja: o papa Inocêncio I, o bispo de Mediolano, Venério, e o bispo de Aquileia, Cromácio. Inocêncio protestou contra o banimento, sem sucesso. Em 405, enviou uma delegação que tinha por objetivo interceder em nome de Crisóstomo, liderada por Gaudêncio de Bréscia, mas ele e seus dois companheiros enfrentaram muitas dificuldades na viagem e não chegaram a Constantinopla.

Mesmo exilado, as cartas de João ainda exerciam grande influência em Constantinopla e, por isso, ele foi exilado para uma região ainda mais longínqua que o Cáucaso (onde ele esteve entre 404 e 407), a cidade de Pítio (moderna Bichvinta), na Abecásia, onde um túmulo é ainda hoje visitado por peregrinos como sendo de João. Porém, João não chegou lá e faleceu em Comana, no Ponto, em 14 de setembro de 407, durante a viagem. Suas últimas palavras foram δόξα τῷ θεῷ πάντων ἕνεκεν ("Glória a Deus por todas as coisas").


PUBLICIDADE
App Liturgia Católica
RSS FEED
Voltar para o conteúdo